sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Descanso

Mar longo, mar imenso. 
Secam-me as palavras com a frescura da tua água, invade-me uma lentidão morna quando te olho, assim manso e lento junto à areia. Tanto mar e eu por perto, sem relógio e sem pulsar, apenas cheia de silêncio que é a única coisa que aprecio, por agora. E sol. E liberdade.

De resto, admiro-te todos os dias e recomponho o tempo junto a ti. Nada mais quero fazer, a não ser deslindar-me da pele enrugada das dores dos dias, ainda tenho o corpo cativo do cansaço e dos excessos. Do trabalho e das pessoas. Apenas algumas, sim.

http://2.bp.blogspot.com/_Q5TN4EpETn4/TNl7PoQRhWI/AAAAAAAADQ8/wY1zE5nbyN8/s1600/P+tarde.JPGTodas as outras moram comigo neste início de verão. Transportam a minha amizade e a minha vida, apreciam o mar por dentro de mim, escutam o silêncio e continuam atentas e dispersas, coloco-as assim por assim me ser mais fácil ouvi-las e atendê-las. Mas não falam, respeitam esta imensa necessidade de ouvir apenas e só o bater das tuas águas contra a areia dourada. 

Mar longo, mar imenso.  Daqui te vejo e quase te ouço, leve e gentil, para não assustar o bater do coração nem agitar o sono profundo do descanso. Dele preciso e dele me renovo, por agora. 
Contigo, lá ao fundo. 


1 comentário:

  1. Lindo, lindo, traduz o que sinto algumas vezes . ..vontade de mar, silêncio e desejo de solidão para me retemoerar

    ResponderEliminar